Não acredito em templos







Uma vez perguntaram a Jesus onde era o lugar correto para se adorar a Deus. Quem fez essa pergunta foi uma mulher, samaritana, que não pertencia à “religião oficial” da época. Os judeus consideravam os samaritanos idólatras e impuros. Ela tão pouco teria, aos olhos dos moralistas, uma vida “santa” e “irrepreensível” para se aproximar e fazer tal questionamento ao Senhor, pois se tratava de uma mulher que já havia passado por cinco casamentos e o atual marido, bem… não era de fato marido dela. Um escândalo até mesmo para os discípulos de Jesus que achavam inapropriada aquela conversa.
A resposta de Jesus foi simples: sugerindo não se tratar do lugar físico/geográfico. A adoração a Deus deve ser pessoal, interior, espiritual e sincera.
A primeira coisa que salta aos olhos de quem lê o relato completo do Novo Testamento é que Jesus quebra muitos paradigmas, a começar por tirar da religião e do templo a exclusividade da mediação e do relacionamento com Deus. Nossa oração e adoração não dependem de um altar construído para serem ouvidas. O altar, o templo, o lugar de culto é o próprio coração.
A segunda coisa é que, diferentemente da tendência da religião de dizer quem é puro ou não, quem é mais especial, Deus não nos avalia por questões meramente morais ou sociais. Foi Jesus mesmo quem disse que prostitutas e corruptos poderiam ser mais dignos de entrar no Reino de Deus do que alguns que se consideram exclusivamente santos, mas vivem de forma hipócrita (Mateus 21.31).
O encontro com Deus é transformador, sim. E radical. Mas nem por isso acontece somente nos ambientes ou dias santificados pela igreja ou pelas religiões dos homens. Particularmente não acredito em templos ou em religiões como lugares e entidades sagrados em si mesmos. Acredito no Deus que não cabe dentro das religiões, não é totalmente explicado pela razão humana, ri dos tratados teológicos, não se detém nos limites impostos pelas tradições vazias. Ele conversa com ateus, pagãos e também faz amizade com quem é considerado “afastado de Deus”. Deus é maior do que a própria Bíblia ou qualquer outro livro sagrado. Livros são confissões humanas, limitados, mas a Palavra de Deus é eterna e pode ser escrita até mesmo nos corações de quem não sabe ler, de quem não tem acesso ao papel.
O Deus apresentado por (e em) Jesus é o Deus que ama até as últimas consequências, que entende a aflição humana, se comunica multiformemente, que se compadece ao invés de condenar. É o Deus que tem mais prazer na reconciliação do que na condenação e não leva em conta o tempo da ignorância.
“Misericórdia quero” é o que Deus grita enquanto a religião vocifera “morte aos impuros”.
Vejo uma multidão esquecida, adoecendo nos arredores da igreja. É gente que não encontrou abrigo, não foi acolhida, foi expulsa e considerada “fora dos padrões”. Muitas vezes projetamos no outro o santo que não conseguimos ser e dizemos “enquanto você não se tornar como um de nós, não será aceito em nosso meio”. Muitos, a partir desse ponto, decidem viver uma vida apenas de aparências, sem transformação real, simplesmente para serem “aceitos”.
Nos esquecemos que quem santifica e transforma é Deus e não nossas imposições, arrogâncias e externalidades. É a caminhada, o dia a dia, que vai nos tratando, curando, limpando as feridas, trabalhando e completando a obra de Deus em nós. Não é no tempo que queremos, mas na compreensão e confiança de que quem opera tanto o querer como o realizar é Deus.
Neste sentido, até mesmo numa conversa de mesa de bar, Deus pode operar com graça, curar e inflamar corações cansados e sobrecarregados. Por que não? Os religiosos de hoje torcerão o nariz da mesma forma como fizeram os fariseus do tempo de Jesus, quando o acusaram de andar com pecadores. Mas Deus trabalha sem se importar com o que falam. Enquanto uns ordenam, outros decretam e outros ainda profetizam suas impressões puramente carnais e humanas, o Senhor vai dando vista aos cegos e ouvidos aos surdos que estão fora dos domínios dos templos.
Nenhuma religião é dona de Deus. Nenhum sacerdote é detentor exclusivo da voz de Deus. Nada que não se pareça com o amor ou com o espírito de Jesus pode ser chamado de Evangelho ou Bíblico, ainda que dito e ordenado pelas grandes instituições religiosas. Pense nisso!
O Deus que ama e fala com pecadores te abençoe rica, poderosa e sobrenaturalmente!

O que importa é a sinceridade do meu coração?!













”Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.”Samuel 16:7 
O texto acima narra a história de quando Samuel foi ungir um dos filhos de Jessé para se tornar futuramente Rei. Jessé naturalmente começa a apresentar diante do profeta seus filhos naturalmente mais capacitados, mas aprouve Deus escolher a Davi para ser ungido, mesmo aparentemente este sendo o menos provável.
A expressão destacada no versículo acima e usada pelo Senhor a Samuel nos traz muitos ensinamentos. Inspirada nesta e outras passagens é que muitos afirmam para si mesmo que Deus se importa somente com a sinceridade do nosso coração, e isso é uma verdade quando aplicada no mesmo contexto correto. Creio que realmente quando Deus nos escolhe, ele não está refém de nossas habilidades naturais, nossa capacidade humana para nos relacionarmos e influenciarmos outros, por mais que tudo isso possa ser de grande ajuda para a nossa vida cristã e corrida ministerial. Quando Deus escolhe alguém, creio que o que Ele precisa é apenas de um coração disponível, um coração sincero e O próprio se encarrega de capacitar o escolhido.
Porém, vejo algumas pessoas usando essa expressão (“Deus vê apenas a sinceridade do nosso coração”) no sentido de que mesmo que elas estejam erradas, mesmo que não estejam alinhadas com aquilo que Deus quer, mesmo que estejam liderando fora de princípios, Deus está vendo que ela está com o coração sincero diante dEle e por isso ele irá abençoá-la. Isso é um grande engano!
A nossa sinceridade de coração se torna visível e real quando vemos onde estamos errados e poramor a Ele mudamos o rumo das coisas. Deus estabeleceu princípios que não serão quebrados nem por aquilo que podemos chamar de sinceridade de coração. Se estamos errados, se estamos quebrando princípios, não devemos achar que podemos permanecer do mesmo jeito e esperando receber algo de Deus para nossa vida ou ministério. Se você está errado, quebrando alguns princípios, mas buscando a benção com verdadeira sinceridade no coração, parar e se consertar não será problema para você.
Pense nisso!
Por Ramiro Chagas / ramirochagas.com

Site da Igreja Universal afirma que no Apocalipse, China causará a 4ª Guerra Mundial












O livro do Apocalipse é alvo de variadas interpretações em diferentes linhas teológicas, que vão desde a literalidade até a linguagem figurada. As revelações feitas a João são tema de diversas discussões no meio cristão, e fonte de estudo para os que tentam prever o fim do mundo, ou o arrebatamento da Igreja.
O site Arca Universal publicou um artigo sobre o Apocalipse e afirmou que “muitos são os intérpretes das profecias apocalípticas que creem em uma terceira e em uma quarta guerra mundial, justificando assim a luta final dos povos, ou o Armagedom”.
A curiosidade neste caso fica por conta da definição de nomes aos países protagonistas do Armagedom: Rússia e China.
De acordo com o texto do site da Igreja Universal do Reino de Deus, “a terceira guerra será encabeçada pelo anticristo, liderando a federação de dez reinos contra a Rússia e os seus aliados. Esta ocupará Israel e as terras circunvizinhas, a fim de pôr fim ao conflito contínuo entre árabes e israelenses”, e como resposta à objeção do anticristo, “a Rússia, então, fará chover as suas bombas atômicas nas cidades costeiras dos Estados Unidos, bem como em muitas cidades europeias”.
Já a quarta guerra mundial seria o complemento do Armagedom, na visão exposta pela Universal: “Dessa vez a China, após ter feito muitas conquistas de territórios russos e asiáticos, invadirá a Palestina com milhões de homens, promovendo assim a Quarta Guerra Mundial. Mas o anticristo, liderando os aliados, prevalecerá novamente. E somente depois disto é que virá o juízo sobre o restante da humanidade, do anticristo e do falso profeta. E então o milênio será instaurado”.
Confira abaixo a íntegra do artigo “A Quarta Guerra Mundia”, do site Arca Universal:
A foice afiada está erguida não para recolher frutos, mas para ceifar o que não presta. Ela é o instrumento de juízo da vingança divina que prepara a Terra para os mil anos de paz. Aliás, na Bíblia a foice nunca é utilizada para recolher frutos.
Esta, aliás, é a única vez, em toda a Escritura, que encontramos a descrição do Senhor com uma foice afiada na mão, sinal de algo extremamente terrível para os adoradores da besta, para o anticristo e para o falso profeta.
A execução do juízo divino com relação a eles é o motivo desta vinda do Senhor Jesus, que também é chamada de Armagedom, ou luta final dos povos, e várias vezes é citada no Apocalipse.
Tudo isso se dará após o arrebatamento da Igreja, num período de sete anos. Muitos são os intérpretes das profecias apocalípticas que creem em uma terceira e em uma quarta guerra mundial, justificando assim a luta final dos povos, ou o Armagedom.
Segundo eles, a terceira guerra será encabeçada pelo anticristo, liderando a federação de dez reinos contra a Rússia e os seus aliados. Esta ocupará Israel e as terras circunvizinhas, a fim de pôr fim ao conflito contínuo entre árabes e israelenses.
De fato, isto será apenas um pretexto para tirar benefícios próprios, especialmente do petróleo do mundo. O anticristo certamente fará objeção a essa ocupação e movimentará as suas tropas da federação contra as forças russas.
A Rússia, então, fará chover as suas bombas atômicas nas cidades costeiras dos Estados Unidos, bem como em muitas cidades europeias. A federação de dez reinos, da qual os Estados Unidos fazem parte, fará retaliação das forças russas na Palestina.
A humanidade temerá por sua existência, devido às consequências imprevisíveis desta guerra. Os israelenses, por sua vez, vendo-se livres do cerco russo, reconhecerão que o seu livramento foi um ato de intervenção divina, cumprimento das profecias bíblicas, tal qual aconteceu com o episódio do Mar Vermelho.
Além disso, verão o sinal do Filho do Homem, isto é, o próprio Senhor Jesus Cristo fisicamente, e então se converterão ao cristianismo, passando a proclamar oficialmente Jesus de Nazaré como o Messias.
Isto, no entanto, ainda não será o Armagedom completo, pois em seguida surgirá outra grande guerra: dessa vez a China, após ter feito muitas conquistas de territórios russos e asiáticos, invadirá a Palestina com milhões de homens, promovendo assim a Quarta Guerra Mundial.
Mas o anticristo, liderando os aliados, prevalecerá novamente. E somente depois disto é que virá o juízo sobre o restante da humanidade, do anticristo e do falso profeta. E então o milênio será instaurado.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Eleição nos Estados Unidos: no discurso de derrota, Mitt Romney pede oração fervorosa pelo presidente reeleito Barack Obama









O ex-candidato a presidente dos Estados Unidos da América pelo Partido Republicano, Mitt Romney, mórmon, convocou aos adeptos de seu partido a orarem pelo sucesso do novo mandato do presidente Barack Obama, reeleito ontem.
Romney disse em seu discurso que ligou para Obama felicitando-o pela vitória e parabenizando a equipe que ajudou a reelegê-lo: “Este é um momento de grandes desafios para a América, e oro para que o presidente seja bem sucedido em guiar nossa nação”, declarou.
De acordo com informações do G1, apesar da campanha de combate às iniciativas de Obama, que focaram na redução da distância entre ricos e pobres, Romney discursou de modo diferente, alertando que havia a necessidade de priorizar as pessoas: “A nação, como se sabe, está em um ponto crítico. Em um momento como este, não podemos arriscar a briga partidária e postura política. Nossos líderes têm de colocar as pessoas à frente da política”.
O discurso conciliador de Mitt Romney é a peça principal de uma das maiores peculiaridades da eleição. Esperava-se que o candidato republicano vencesse em estados onde o voto dos religiosos, especialmente cristãos católicos e evangélicos, são bastante representativos. Porém, Barack Obama, superou as expectativas dos analistas que previam sua derrota em Ohio, Iowa e Virginia, estados considerados conservadores e altamente influenciados por líderes religiosos. Como a vitória de Romney não veio, o pedido de que as forças políticas se unam pelo sucesso do governo eleito surpreendeu alguns especialistas.
As polêmicas envolvendo o apoio do presidente à união de pessoas do mesmo sexo, no entanto, não foram suficientes para derrotar Obama nesses locais. Em seu discurso após a vitória, o presidente reeleito afirmou que com “amor, caridade, dever e patriotismo” será possível superar os momentos difíceis, e pediu união ao povo: “Juntos, com a sua ajuda e graça de Deus, vamos continuar a nossa jornada para a frente, e lembrar ao mundo os motivos do por que nós vivemos na maior nação da Terra. Deus te abençoe. Deus abençoe estes Estados Unidos”.
Durante todo o dia final de votação, líderes cristãos encabeçaram uma rede de oração que durante 24 horas, intercedeu em favor da escolha, por parte do povo, de um presidente que honrasse a Deus. Entre os principais líderes estavam Dave Butts, da Comissão Nacional de Oração; Dave Kubal, dos Intercessores para a América; e Bellenger Sara, dos Intercessores do Capitólio, de acordo com informações do Charisma News.
A oração foi um tema bem presente nessa eleição. A avó paterna de Barack Obama, Sarah Obama, 90 anos, afirmou que se manteve intercedendo por seu neto: “Eu oro por ele, para que Deus o ajude. É uma disputa dura, por isso tenho rezado por ele. Se for a vez dele [vencer], Deus o deixará triunfar”, afirmou, segundo informações do Terra.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Entrevista: Documentário evangélico surpreende ao mostrar “Ministérios Fracassados” que agradam a Deus. Assista na íntegra







O sucesso na definição mais comum é receber reconhecimento humano através da fama por algo que se dedica a fazer. Sob essa perspectiva, o blogueiro e missionário Yago Martins iniciou a produção de um documentário a respeito de “Ministérios Fracassados”.


Entre os depoimentos coletados, estão o reverendo presbiteriano Augustus Nicodemus, o pastor Renato Vargens, o músico Eduardo Mano, o responsável pela editora Tempo de Colheira, Felipe Leitão, além do missionário Bruno Lima, diretor do Missões GAP, entre outros.
O propósito, segundo Yago Martins, é desmistificar o conceito de ministério bem sucedido, criado a partir dos parâmetros comuns, e conceituar um padrão de ministério bem sucedido segundo o resultado alcançado no sentido de transformação de vidas.
Em determinado trecho do documentário, o reverendo Augustus Nicodemus menciona a passagem bíblica de 1 Co 4:2 e afirma que o sucesso, no ministério, significa fidelidade: “O que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel”.
A produção do documentário foi baseada em oportunidades, embora existisse um planejamento. Yago revela que contou com a boa vontade e interesse dos entrevistados, além da ajuda de terceiros em relação a questões técnicas específicas.
A Redação do Gospel+ entrou em contato com o blogueiro e fez uma entrevista exclusiva para compreender o contexto da iniciativa. Confira abaixo a entrevista na íntegra com Yago Martins, e assista ao documentário no vídeo ao final:
Yago, como surgiu a ideia de gravar esse documentário?
A ideia de gravar o documentário começou em um momento de autoconhecimento. Observei como, no começo de minha fé, eu sonhava com ser um ministro famoso, um pastor de mega-igreja ou um escritor de best sellers. Através do evangelho, Deus quebrou estes sonhos bobos e foi me mostrando como não devemos buscar este tipo de sucesso, ainda que Deus possa dar isso a alguns de Seus filhos. Ao olhar ao meu redor, vi que muitos irmãos meus ainda estavam desejando as mesmas bobagens que eu no início de minha fé. Então, imaginei como poderia servi-los com meu testemunho e de outros irmãos mais vividos do que eu. Como eu possuo alguns materiais de filmagem, os quais uso para meus vlogs, imaginei que poderia fazer algo em vídeo. Olhando ao redor, escolhi quatro de meus amigos pessoais, pessoas que conheço o testemunho e que posso confiar, e os convidei para o projeto.
Como foi a produção toda do documentário?
A produção demorou um mês. A primeira filmagem começou dia 1 de outubro e a versão final do vídeo estava sendo “upada” para o Youtube dia 3 de novembro.
As filmagens começaram com os famosos, os de “sucesso”, em uma viagem para Águas de Lindóia, na Conferência Fiel para Pastores e Líderes. Devido ao pouco equipamento (um tripé, uma câmera DSRL e um gravador portátil), o trabalho acabou sendo um pouco complicado. Eu simplesmente saia andando pelo evento carregando um tripé montado, com uma câmera sobre ela, e com o gravador no bolso. Quando eu encontrava algum pastor famoso, eu os parava onde estavam, explicava o documentário e filmava, ali mesmo. Todos foram muito solícitos e atenciosos. As duas únicas filmagens que não ocorreram na Fiel foram as com  Stênio Marcius, que gravei em um evento aqui em Fortaleza, e com o Augustus Nicodemus, que gravou em casa mesmo, com a ajuda de sua filha.
Já a gravação com os “fracassados” foi diferente. Ainda em São Paulo, filmei com o Eduardo Mano em um evento que ele participou. Com o Bruno Lima, filmei aqui na minha cidade mesmo, na igreja onde ele frequenta. No caso do Filipe Leitão e do João Victor, contei com a ajude de um grande amigo, Alan Cristie, que conseguiu um pessoal que emprestasse um equipamento e fez as entrevistas para mim, em Niterói e no Rio.
Depois disso, entrou a fase de edição. Eu não sou editor profissional, então deu uma trabalheira. Passei um bom tempo de frente para o computador, mas creio que o trabalho ficou bom. Sei que as falhas técnicas são muitas, mas a mensagem sobressai a tudo isso.
Como esta a recepção do documentário junto ao público?
Muito boa! O número de acessos foi muito acima do que eu esperei, de verdade. Eu estava me preparando para que este fosse um documentário fracassado (risos), mas Deus desejou levar a mensagem para muita gente. E não são só números, a quantidade de testemunhos que tenho recebido tem me humilhado diante da graça de Deus. Pastores de congregações de 10 membros, missionários na Irlanda, capelães hospitalares e muitos outros anônimos que estavam desanimados e encontraram mais forças para continuar. Deus tem sido muito bom em popularizar o projeto.
Tem ideia para outros projetos relativos?
Sim. Já estou pensando no tema do próximo trabalho, mas não posso divulgar ainda.
O documentário foi focado em mostrar algo para os que o virem, mas como ele tocou em você? Quais partes mais te marcaram?
As quatro entrevistas principais tocaram minha alma de modo especial, uma por uma. Apesar de eu já conhecer a história de todos eles, ouvi-los falando me encorajou ainda mais para continuar no ministério. Cada detalhe foi muito especial para mim, mas se eu pudesse citar qual parte mais me marcou, eu citaria a entrevista com o Bruno Lima, uma vez que servimos no mesmo ministério de missões há alguns anos.
Tem mais alguma coisa que gostaria de acrescentar?
Acho que não. Creio que seria bom deixar claro que a ideia do documentário é mostrar que devemos ser féis ao ministério, quer famosos ou anônimos, quer amados ou odiados, quer com sucesso ou fracasso. A nós, cabe sermos fiéis. O alcance está totalmente na mão de Deus. Uma igreja que não cresce pode sim estar cometendo algum erro, mas não podemos achar que toda igreja fiel vai crescer. A Bíblia nunca prometeu isto.
Grande abraço!


Follow by Email

DIAS DO BLOG ON LINE.